Rigidez cognitiva

A inflexibilidade cognitiva é uma característica comum em indivíduos diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA), evidenciando padrões de pensamento rígidos e resistência a mudanças. Isso afeta áreas como a preferência por rotinas estritas e a dificuldade em se adaptar a novas situações.

A inflexibilidade cognitiva é uma característica comum em indivíduos diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA), evidenciando padrões de pensamento rígidos e resistência a mudanças. Isso afeta áreas como a preferência por rotinas estritas e a dificuldade em se adaptar a novas situações.

Abordagens terapêuticas, como a terapia cognitivo-comportamental, mostram-se benéficas para promover maior maleabilidade cognitiva, auxiliando na adaptação eficaz a diversas situações e facilitando interações sociais. A sensação de “impasse” associada à inflexibilidade cognitiva destaca a importância de estratégias e alternativas no cotidiano.

A inflexibilidade cognitiva pode variar em graus de intensidade, desde casos mais acentuados até manifestações menos evidentes, porém impactantes na vida diária, como a dificuldade em mudar de tópico sem perder informações. Essa característica está associada a vários transtornos neuropsiquiátricos, incluindo TDAH, esquizofrenia e transtorno do espectro autista.

É crucial notar que a inflexibilidade cognitiva não é exclusiva de faixas etárias mais jovens; adultos mais idosos podem experimentar essa condição devido às alterações físicas e funcionais inerentes ao envelhecimento cerebral. Investir em tratamento precoce e estratégias adaptativas contribui para mitigar impactos negativos, promovendo uma melhoria na qualidade de vida.

A importância dessa habilidade reside no desenvolvimento da flexibilidade cognitiva, que resulta em maior resiliência diante de eventos negativos da vida. Isso propicia uma vida com mais qualidade, tornando-se apto a lidar melhor com mudanças e adversidades, sendo mais flexível, tolerante aos erros e aberto a novas ideias. Desenvolver essa habilidade é fundamental para fazer novas conexões, sair da zona de conforto e prosperar na vida pessoal e profissional.

É possível aprimorar a flexibilidade cognitiva através de terapias comportamentais cognitivas, que ajudam a identificar padrões de pensamento e fazer ajustes necessários. Essa soft skill, relacionada ao autoconhecimento e à capacidade de reconhecer emoções, pensamentos e intenções dos outros, pode ser desenvolvida para aprimorar aspectos pessoais e profissionais, sendo uma habilidade valorizada no mercado de trabalho.

Autora:

Cecília Amaral – Diretora de Inclusão da Attitude Inclusão.

Sobre a Attitude Inclusão:

Somos uma empresa de educação que trabalha diariamente para preparar e capacitar as empresas a contratarem e receberem pessoas com deficiência e neurodivergentes como seus colaboradores e clientes, por meio de consultoria, treinamentos e palestras.

Além disso, preparamos aqueles que são neurodivergentes para o ambiente corporativo com nosso curso de capacitação profissional e suporte especializado.

Unimos empresas e talentos neurodiversos para construir um futuro onde cada mente única brilhe e alcance seu pleno potencial.

Deixar uma resposta

Skip to content